Assim caminha a humanidade: com calçados!

Olá, deixei este blog por um bom tempo. Fiquei fora do ar por momentos de tristeza,falta de ideias, sem vontade de escrever. Depois, o trabalho finalmente chegou. Mas veio a ocupação de verdade e o cansaço, que me deixou mais tempo distante do blog. Agora trabalho como auxiliar administrativo com e-commerce numa loja de calçados. Trabalho com a parte virtual da loja (redes sociais, loja virtual, fotografias de produtos para publicidade e sistema), além das tarefas administrativas. Bom, deu para perceber que estou bem atarefada. E adorando minhas novas tarefas!

Sapatos, muitos sapatos!

Sapatos, muitos sapatos!

Agora que percebi a importância de um sapato! Um pouquinho de proteção nas caminhadas do dia-a-dia. Colocar os pés no gramado é muito bom. Mas encarar buracos; poças d’ água, entre outras substâncias líquidas; objetos perfurantes e afiados, espinhos de plantas; estradas de diferentes tipos; não dá! Não conseguimos andar por tudo sem calçados. E esses diferentes obstáculos é que nos fazem procurar variados modelos sempre. De acordo com o seu físico, estilo, clima: momento. 

Tamanho 35, couro bovino, 5.500 anos

Tamanho 35, couro bovino, 5.500 anos

Um artigo tão necessário (embora alguns digam que é futil pela loucura que algumas peruas fazem para adquirir grandes quantidades de pares), mas sua indústria parece um tanto desprezada pela economia e o governo. Todo dia temos notícia de fábricas de calçados que fecham suas portas. A justificativa é de que o nosso sapato não vende mais no exterior. Sinto-me descalça com essa notícia, como se no Brasil ninguém usasse sapato. A verdade é que que o preço não é competitivo nem aqui e nem lá fora, os impostos é que acabam com a indústria e o comércio dessa área. Logo o que deveria incentivar, só atrapalha.

Bom, agora, só vejo sapatos na minha frente. Mas neles também vejo história, moda, arte, cotidiano, jornalismo,economia, cultura, geografia, estatística,contabilidade(matemática), idiomas.  Aprendi que com calçados podemos ver como caminha a humanidade!

Anúncios

Estudos para o concurso do magistério RS

Coloco aqui um resumo do que eu estudei para o concurso do magistério do RS. Um pouco do que me irritou mais nestes meses de leitura.

Português

Metade das questões são de interpretação de texto. Só que o texto é repleto de espaços em branco para completar com palavras. A outra metade são de perguntas que dão “pistas” sobre quais palavras completam o texto. Pode ou pôde? Ascender ou acender (subir de cargo profissional ou a subida de valor da conta de luz por conta da ação de manter  a lâmpada ligada sempre)? A ou à? Veado ou “viado”? Ou seja: é preciso adivinhar o que está escrito no texto para compreendê-lo. Se não adivinhar palavras, nem entender o texto: prova zerada!

E aquela tradicional pergunta: encontre o sujeito na frase  “A Igreja está enfeitada!” O sujeito? Esta dentro da Igreja, só pode! Para se dar bem na prova de português é necessário bisbilhotar a vida de estranhos. Por esse motivo, os fofoqueiros gabaritam a prova!

Legislação

Constituição Federal

Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

VIII – piso salarial profissional nacional para os profissionais da educação escolar pública, nos termos de lei federal. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)

Tem mais:

Em 16 de julho de 2008, a Lei 11.738 instituiu o piso salarial nacional para os professores da rede pública da educação básica. União, estados, Distrito Federal e municípios não poderão fixar vencimento inicial das carreiras do magistério, para a jornada de 40 horas semanais, abaixo desse patamar.

Será que isso vai cair na prova? Será  a piada do ano se cair. Senão, nada mais do que uma constatação de que o Governo do Estado não sabe ou finge desconhecer a Lei.

Conhecimentos Pedagógicos

Construtivismo, multiculturalismo, avaliação, psicologia, interdisciplinaridade,educação inclusiva, PCN, Piaget, Vgostky, Emília Ferreiro, Paulo Freire… E depois, dizem que pedagogo não lê nada. Bah! se isso é falta de leitura, imagine o que é ler!

História do Brasil

Nos livros didáticos, o indígena  aparece. Mas tem que dividir página com Pedro Álvares Cabral. É brabo! Os mais generosos dedicam um capítulo inteiro para eles (geralmente no início do livro). só que dá uma sensação de que os indígenas desapareceram junto com dinossauros. E eles estão entre nós. Na Floresta Amazônica? Ué, sabia que o centro de Porto Alegre era uma selva, mas de pedra!

História do RS

Todo texto (didático) sobre Rio Grande do Sul a penas cita a Guerra Guaranítica, fala da Guerra dos Farrapos e alguma coisa sobre Chimangos e Maragatos. Há pouco até passaram a  abordar sobre a legalidade (posse de Jango). Mas e o que aconteceu antes e depois desses fatos? O Brizola apenas ajudou o Jango e mais nada? E os outros governadores: o que fizeram? Tanto a se pesquisar e refletir.

Transmissões

Meu pai, falecido há quatro anos exatos, era um grande telespectador de jogos de futebol. Colorado fanático, adorava frequentar o Beira-Rio. Mas; os dias e horários de trabalho, as condições financeiras para comprar ingressos para todos os jogos, e a violência; afastaram o torcedor do estádio. Depois que voltou de um jogo “apenas” de calção( roubaram seu rádio e carteira, além de perder a camisa e o par de chinelos na multidão após a ação da polícia) papai preferiu a televisão.

No início, maravilha! Horas de transmissões esportivas, com opção de escolher seu narrador e comentaristas favoritos. Jogos em várias emissoras. Os programas de debates futebolísticos, com especialistas que não tinham vergonha de dizer quais times e jogadores jogavam mal, nem medo de falar das administrações dos clubes.O interesse do jornalismo esportivo na época era em dar informações, e não se esforçar em ser simpático como é atualmente. Não se deixava de assistir o jogo do seu time  porque o jogo era em casa.  E sem letreiros ou logomarcas tapando as imagens.

Com a TV fechada, e o monopólio da Rede Globo dos direitos de trnsmissão dos jogos, assistir os jogos da sua equipe, só pagando! Ou torcer  para aparecer raramente na TV aberta após a novela. A venda de TV à Cabo aumentava, e meu pai teve a grande ideia: transmitiu os jogos da antena de casa para os frequentadores do bar da família na área de casa. Novidade para o bairro na época. Toda a vizinhança se encontrava para assistir as partidas. E no início, a  família lucrou bastante com esse negócio.

Outros bares começaram a copiar: também colocaram televisores com os jogos. O bar diminuiu de movimento, e o número de copos de vidro quebrados era grande. Com o prejuízo, acabaram as transmissões via barzinho de papai. O plano dos jogos do Campeonato Brasileiro continuou na TV da família. No ano seguinte, resistimos em pagar para olhar o campeonato devido ao preço, mas a vontade de assistir foi maior e não deixamos de usar o “Pay-Per-View”. Trasmissões para familiares. Como a família era grande, tios, primos, crianças e amigos da família disputavam lugar em casa.

Os anos passaram, meus pais e eu nos mudamos e o hábito de olhar partidas  de futebol na casa de meus avós(onde ficava o bar) continua até hoje. Mas muita coisa mudou: vizinhos  ex-frequentadores do bar faleceram, meu tio e meu pai faleceram, as crianças cresceram. A casa deles foi reformada, filhos e netos empregados. A vizinhança ganhou mais crianças, o bairro ficou nobre após a inauguração de um hipermercado nele. A internet inovou a vida da sociedade, e permitiu uma variedade ainda maior de modos de transmissão de imagens.

Com a inauguração da Fox Sports Brasil, mudamos outra vez. Como toda mudança, dificuldades para se adaptar. Assim como meu pai encontrou alternativas, também podemos achar diferentes saídas ao longo do tempo. Hoje, assisti a partida  Internacional 2 x 0 Juan Aurich na TV à Cabo da minha casa. Transmissão bacana da Fox com o narrador Marco de Vargas e os comentários do Carlos Simon. Com as andanças de meus familiares; e o embate Globosat versus Fox, que deixou a maioria das empresas de televisão à cabo sem passar os jogos da Copa Libertadores; assisti olhei sozinha jogo. Sozinha mesmo!

E sozinha, lembrei de todas as diferentes formas e ocasiões que vi um jogo de futebol. E sonhando com as futuras transmissões: com televisão digital, Copa do Mundo, novas empresas e instituições, novas leis…

Oscar: sou daqui! Gol do Inter

O que vou escrever?

Faz um bom tempo que não escrevo neste blog. E não foi por nenhum problema particular ou compromisso. Simplesmente, tive um lapso, fiquei sem assunto para escrever. Pensei em vários temas, fatos, fofocas. E não consegui encontrar uma conclusão.

Greve dos PMs na Bahia, estiagem no RS, enchentes no sudeste, expulsão de moradores do Pinheirinho. acontecimentos importantes e graves no Brasil. Mas não gosto de “chover no molhado”, pois desperdício de água não é legal. Não tenho informações quentes sobre o assunto, pelo contrário, quero saber mais . E só reclamar da situação sem dar uma boa solução ou reivindicação convincente, é cair na mediocridade.

Televisão: reality shows, novas séries e minisséries, filmes requentados. Não me empolguei em falar da telinha brasileira que gosto tanto. E depois do episódio do “suposto estupro no BBB” (Será que é suposto? No mínimo, houve encosto!) fiquei enojada. Final de brincadeira. Paredão, novela, discurso de jornalista. Tudo perdeu a graça. Apesar disso, tentam encobrir para os convidados não irem embora da festa televisiva. Tarde demais. Minhas férias: nada de extraordinário. Frustradas, depois de feias queimaduras  depois de uma tarde sem protetor solar na praia, à procura dos “Chatonildos irresponsáveis”. Pelo menos, um ventinho para acalmar os ânimos e diminuir a saudade da cidade grande. Saudade. Um bom assunto final. Saudade de contar histórias para quem quer ouví-las, de ser a única grandona no meio dos pequenos, de comer guloseimas sem medo de passar mal, de olhar satisfeita e segura para algo que fiz. Acho que, quando eu terminar de escrever o final do texto, matarei essa última saudade.

Observação: Prometo que é a útima vez que me queixo de falta de assunto ou falta do que fazer. Sei que fiz a mesma reclamação em dois textos anteriores. Peço desculpas.

Um País Sem Professores

A última greve durou tanto, que o governo decidiu demitir todos os professores das escolas. Uma verdadeira revolução na educação. A escola passou a ser um lugar para comer merenda, mexer no computador, jogar bola e ler livros se quiser. Aulas, somente à distância. Ótimo, acabou a era do giz.  O alunos agora aprendem com o mundo. Mas os problemas na área da educação continuaram…

Como nem todas as crianças e adolescentes possuiam computadores e internet nas suas casas, os governos foram obrigados a colocar mais computadores nas escolas, transformando-as em laboratórios de informática. Só que , como todo governo ruim, muitos ficaram dias e meses sem acesso à internet devido à falta de manutenção de PC e outros problemas de software ou hardware. Os alunos tiveram que aprender a mexer no computador sozinhos ou com a ajuda dos colegas mais velhos, pois não havia nenhum professor de informática disponível devido às demissões de todos os professores. Alguns preferiram acessar às aulas sem sair de casa. A lan house também foi uma opção nos casos de problemas dos laboratórios.

A maioria on line, mais questionamentos. No início as aulas em EAD eram com professores profissionais. Mas muitos desses professores foram para o exterior:beleza, foram estudar mais. Só que não conheciam mais o cotidiano dos alunos: quando digitavam suas gírias, eram incompreendidos. Enquantos os alunos falavam sobre sua realidade brasileira, seus mestres vistuais falavam sobre a realidade europeía. Por um lado era uma boa troca cultural, por outro uma menor compreensão de seu mundo interno. Aprender a contar o dinheiro de seu próprio país, saber escrever o português correto com pessoas que não lembram mais sua língua materna, estudar a história local dos alunos passar a ser lições de casa dificílimas.

O corpo docente desmpregado que permaneceu no país sofreu um bocado. Muitos entraram em depressão, acreditem. Logo os professores, que enlouqueciam pela proximidade com os alunos rebeldes; e agora, enlouqueceram pela distância dos alunos. No final, encaixaram-se noutras profissões. A internet, a mídia em geral, se transformou numa ferramenta de educação.  Muitos jovens passaram a se perguntar: o que buscar no Google? O que devo aprender e como aprender para seguir a profissão desejada?

Qual o futuro dessa história? Você decide, não só o final da história, como o início e o meio também.

Feliz Ano Novo

Comemorar passagem do tempo. Que bom: a Terra completou mais uma volta sob o sol. Legal!

Melhor que isso é aproveitar as voltas que a Terra dá e mudarmos nossas vidas.  

Uns saem da vida pra entrar na história, outros saem da história pra entrar na vida. Resumo: trabalhe mesmo. Afinal, os humilhados serão exaltados!

O tempo é tão cíclico: olha a Dilma. Antes, torturada no governo militar;agora manda nos militares.

Saúde, paz, amor e prosperidade.