Assim caminha a humanidade: com calçados!

Olá, deixei este blog por um bom tempo. Fiquei fora do ar por momentos de tristeza,falta de ideias, sem vontade de escrever. Depois, o trabalho finalmente chegou. Mas veio a ocupação de verdade e o cansaço, que me deixou mais tempo distante do blog. Agora trabalho como auxiliar administrativo com e-commerce numa loja de calçados. Trabalho com a parte virtual da loja (redes sociais, loja virtual, fotografias de produtos para publicidade e sistema), além das tarefas administrativas. Bom, deu para perceber que estou bem atarefada. E adorando minhas novas tarefas!

Sapatos, muitos sapatos!

Sapatos, muitos sapatos!

Agora que percebi a importância de um sapato! Um pouquinho de proteção nas caminhadas do dia-a-dia. Colocar os pés no gramado é muito bom. Mas encarar buracos; poças d’ água, entre outras substâncias líquidas; objetos perfurantes e afiados, espinhos de plantas; estradas de diferentes tipos; não dá! Não conseguimos andar por tudo sem calçados. E esses diferentes obstáculos é que nos fazem procurar variados modelos sempre. De acordo com o seu físico, estilo, clima: momento. 

Tamanho 35, couro bovino, 5.500 anos

Tamanho 35, couro bovino, 5.500 anos

Um artigo tão necessário (embora alguns digam que é futil pela loucura que algumas peruas fazem para adquirir grandes quantidades de pares), mas sua indústria parece um tanto desprezada pela economia e o governo. Todo dia temos notícia de fábricas de calçados que fecham suas portas. A justificativa é de que o nosso sapato não vende mais no exterior. Sinto-me descalça com essa notícia, como se no Brasil ninguém usasse sapato. A verdade é que que o preço não é competitivo nem aqui e nem lá fora, os impostos é que acabam com a indústria e o comércio dessa área. Logo o que deveria incentivar, só atrapalha.

Bom, agora, só vejo sapatos na minha frente. Mas neles também vejo história, moda, arte, cotidiano, jornalismo,economia, cultura, geografia, estatística,contabilidade(matemática), idiomas.  Aprendi que com calçados podemos ver como caminha a humanidade!

A Arte da Conversa

Já que não ouve,

Ao menos leia

As histórias que eu tenho para contar:

Dos grupos diversos,

Caminhos “Universos”,

Pessoas na prática de construir e observar.

Parece um rebanho

Que assombro tamanho!

A magia das formas e cores

Transformou ovelhas em seus próprios pastores!

Não basta apenas seguir o movimento,

Procuro também levar em conta o momento.

Nem sempre acerta a minha intuição,

Improviso sem informação e conteúdo é  apenas vazia ação.

Posso catar palavras pelo ar

E ainda catar palavras no olhar.

Para isso se realizar,

Abra os olhos e a janela!

Abra-se e sinta o que a arte revela.

Muita gente deseja contar sua história como eu:

Reflexão, alegria, lamento.

Diante da  vida: sentimento!

Se falar comigo, conhecerá o meu.

Entre pessoas, admiração e dinâmica, ou vice e versa,

Só existem juntas numa conversa.

O Estado das Coisas

Quando você pensa que está sem saída…

Obra: O Estado das Coisas 01- André Komatsu: 2011

 

Obra: O Estado das Coisas 01- André Komatsu: 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

…encontra uma brecha!

Obra em exposição na 8ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul em Porto Alegre.De 10 de setembro de 2011 a 15 de novembro de 2011.

“Ensaio de Geopoética”, mostra Geopoéticas(Cais, armazém 5).

fotos: http://centrefortheaestheticrevolution.blogspot.com/2011/09/essays-on-geopoetics-8th-mercosur.html

 

Cultura

Não existe ninguém sem,

Mas nunca é demais ter mais.

Ela pode ser única,

Ou várias.

Pena que  somente uma parte é valorizada ,

Isso quando não  é desprezada por inteira.

Considerada uma futilidade,

Mas que, sem ela, ninguém sobrevive.

Um luxo, um tesouro

Que podemos encontrar até no lixo.

Formal ou informal,

Chique ou brega;

Quando a conhece ou a reconhece, acha legal

E nela se apega.

Está um tudo

E  sempre sentimos falta dela.

Tão lembrada e esquecida!