Estudos para o concurso do magistério RS

Coloco aqui um resumo do que eu estudei para o concurso do magistério do RS. Um pouco do que me irritou mais nestes meses de leitura.

Português

Metade das questões são de interpretação de texto. Só que o texto é repleto de espaços em branco para completar com palavras. A outra metade são de perguntas que dão “pistas” sobre quais palavras completam o texto. Pode ou pôde? Ascender ou acender (subir de cargo profissional ou a subida de valor da conta de luz por conta da ação de manter  a lâmpada ligada sempre)? A ou à? Veado ou “viado”? Ou seja: é preciso adivinhar o que está escrito no texto para compreendê-lo. Se não adivinhar palavras, nem entender o texto: prova zerada!

E aquela tradicional pergunta: encontre o sujeito na frase  “A Igreja está enfeitada!” O sujeito? Esta dentro da Igreja, só pode! Para se dar bem na prova de português é necessário bisbilhotar a vida de estranhos. Por esse motivo, os fofoqueiros gabaritam a prova!

Legislação

Constituição Federal

Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

VIII – piso salarial profissional nacional para os profissionais da educação escolar pública, nos termos de lei federal. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)

Tem mais:

Em 16 de julho de 2008, a Lei 11.738 instituiu o piso salarial nacional para os professores da rede pública da educação básica. União, estados, Distrito Federal e municípios não poderão fixar vencimento inicial das carreiras do magistério, para a jornada de 40 horas semanais, abaixo desse patamar.

Será que isso vai cair na prova? Será  a piada do ano se cair. Senão, nada mais do que uma constatação de que o Governo do Estado não sabe ou finge desconhecer a Lei.

Conhecimentos Pedagógicos

Construtivismo, multiculturalismo, avaliação, psicologia, interdisciplinaridade,educação inclusiva, PCN, Piaget, Vgostky, Emília Ferreiro, Paulo Freire… E depois, dizem que pedagogo não lê nada. Bah! se isso é falta de leitura, imagine o que é ler!

História do Brasil

Nos livros didáticos, o indígena  aparece. Mas tem que dividir página com Pedro Álvares Cabral. É brabo! Os mais generosos dedicam um capítulo inteiro para eles (geralmente no início do livro). só que dá uma sensação de que os indígenas desapareceram junto com dinossauros. E eles estão entre nós. Na Floresta Amazônica? Ué, sabia que o centro de Porto Alegre era uma selva, mas de pedra!

História do RS

Todo texto (didático) sobre Rio Grande do Sul a penas cita a Guerra Guaranítica, fala da Guerra dos Farrapos e alguma coisa sobre Chimangos e Maragatos. Há pouco até passaram a  abordar sobre a legalidade (posse de Jango). Mas e o que aconteceu antes e depois desses fatos? O Brizola apenas ajudou o Jango e mais nada? E os outros governadores: o que fizeram? Tanto a se pesquisar e refletir.

Anúncios

Soluções para a reforma do Beira-Rio

Situação da Copa de 2014 em Porto Alegre neste momento:

http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2012/02/28/prefeito-de-porto-alegre-da-prazo-para-beira-rio-e-ameaca-apoiar-arena-do-gremio.htm

Como diz a música ” Não está sendo fácil”, as negociações entre a Andrade Gutierrez e o Internacional estão péssimas. Tanto,  que a reforma do estádio Beira-Rio (que está cotado para ser sede da Copa do Mundo de 2014)está neste estado:

Beira-Rio: eternamente em obras

O grupo de construção Andrade Gutierrez alega que há dificuldade nas parcerias para as obras, principalmente com o Banrisul que não liberou empréstimo para tal. Com isso, o contrato com o Inter ainda não foi assinado apesar da aprovação do clube. A reforma está paralisada há quase um ano por esse motivo.

Para resolvermos esse problema, não adianta procurar “um parceiro que precisa de mais parceiras para fazer, funcionar e concluir” (Andrade Gutierrez é o nome de um marido de alguém?). O negócio é apelar. Governos, bancos e empresas avarentas não salvam. As possíveis soluções são estas.

Caldeirão do Huck - Lar Doce Lar - Luciano Huck

Esse programa possui uma enorme audiência, então apoio popular é o que não vai faltar. As reformas são realizadas por um dos melhores arquitetos do país (melhor e mais jovem, já que o Niemayer não quis participar). Só tem um problema: para ganhar a reforma, a família tem que realizar uma prova antes, ou seja, pagar um baita mico! O apresentador chega completamente disfarçado, exceto seu nariz (visita surpresa igualzinha a visita do ministro). O time do Inter terá que treinar bastante para receber o Luciano Huck, sem esquecer de chorar no ombro dele na hora de ler a cartinha que mandarem para a produção (escolham o mais chorão do time).

Programa do Gugu - Sonhar Mais um Sonho - Gugu Liberato

O programa do Gugu  possui boa verba para a obra. Tanto, que as obras costumam ficar muito bonitas e úteis, sem excesssivas sofisticações. Não tem a “lenga-lenga” de prova, mas sim as demoradas exibições dos pedreiros e das férias dos donos da casa: jogadores do colorado no spa, técnico Dorival Jr. arrumando a dentadura no dentista. Só que a reforma será maior, pois o Gugu prefere derrubar a casa inteira com o trator. Com certeza, o estádio será completamente demolido. Mas depois de embrulhado como um presente, o Beira-Rio ficará pronto e a inauguração será com transmissão ao vivo.

Domingo Legal - Construindo um Sonho - Celso Portiolli

Quase idêntico ao programa anterior, com a diferença que o apresentador é mais brincalhão e reparador (vai comentar sobre as rachaduras, dos tijolos aos pedaços, dos ferros retorcidos…). Celso Portiolli também usará um disfarce. Como  se trata de um estádio de futebol vai se fantasiar de cambista para ficar mais convincente, afinal, ele  começou a carreira fazendo pegadinha no Sílvio Santos. A reforma do estádio será rápida, mas a transmissão da inauguração ficará para o domingo posterior, para dar mais audiência.

Programa da Gente - Banco dos Sonhos ou Dia de Princesa - Netinho de Paula

E a mais nova e modesta alternativa, o plebeu-príncipe Netinho de Paula. Não entraremos com a discussão se ele bateu ou não na esposa, pois esse tipo de conversa infelizmente é comum até mesmo  nas rodas de conversa da Arena do Grêmio. O importante é que ele dará um “Dia de Princesa” para os colorados. Ou seja: drama, passeios, visual novo, dinheiro na poupança, casa nova e churrasco no final! é preciso escolher o jogador mais humilde ou barraqueiro do time. Ele contará todo o drama da reforma do estádio, e falará de algum desafeto com algum colega ou dirigente.O presidente do clube conversará também após um abraço bem apertado no Netinho. Depois, passeio de limusine até o parque da Redenção com direito a chimarrão; compras no Shopping  Praia de Belas, e sessão de escova no Salão de Beleza. Na surdina, o apresentador tentará ou reformar o Beira-Rio ou comprar a Arena prontinha para o Inter. Convidará o desafeto do “jogador-princesa” para fazer as pazes na festa do final do programa. O time ganhará muitos presentes e será recebido no estádio novinho! assim, vale a pena ser princesa!

Qual a melhor alternativa? Opine. Se for colorado, mande uma carta ou email para um desses programas. Quem sabe nosso sonho será realizado!

Beira-Rio na Copa de 2014

Transmissões

Meu pai, falecido há quatro anos exatos, era um grande telespectador de jogos de futebol. Colorado fanático, adorava frequentar o Beira-Rio. Mas; os dias e horários de trabalho, as condições financeiras para comprar ingressos para todos os jogos, e a violência; afastaram o torcedor do estádio. Depois que voltou de um jogo “apenas” de calção( roubaram seu rádio e carteira, além de perder a camisa e o par de chinelos na multidão após a ação da polícia) papai preferiu a televisão.

No início, maravilha! Horas de transmissões esportivas, com opção de escolher seu narrador e comentaristas favoritos. Jogos em várias emissoras. Os programas de debates futebolísticos, com especialistas que não tinham vergonha de dizer quais times e jogadores jogavam mal, nem medo de falar das administrações dos clubes.O interesse do jornalismo esportivo na época era em dar informações, e não se esforçar em ser simpático como é atualmente. Não se deixava de assistir o jogo do seu time  porque o jogo era em casa.  E sem letreiros ou logomarcas tapando as imagens.

Com a TV fechada, e o monopólio da Rede Globo dos direitos de trnsmissão dos jogos, assistir os jogos da sua equipe, só pagando! Ou torcer  para aparecer raramente na TV aberta após a novela. A venda de TV à Cabo aumentava, e meu pai teve a grande ideia: transmitiu os jogos da antena de casa para os frequentadores do bar da família na área de casa. Novidade para o bairro na época. Toda a vizinhança se encontrava para assistir as partidas. E no início, a  família lucrou bastante com esse negócio.

Outros bares começaram a copiar: também colocaram televisores com os jogos. O bar diminuiu de movimento, e o número de copos de vidro quebrados era grande. Com o prejuízo, acabaram as transmissões via barzinho de papai. O plano dos jogos do Campeonato Brasileiro continuou na TV da família. No ano seguinte, resistimos em pagar para olhar o campeonato devido ao preço, mas a vontade de assistir foi maior e não deixamos de usar o “Pay-Per-View”. Trasmissões para familiares. Como a família era grande, tios, primos, crianças e amigos da família disputavam lugar em casa.

Os anos passaram, meus pais e eu nos mudamos e o hábito de olhar partidas  de futebol na casa de meus avós(onde ficava o bar) continua até hoje. Mas muita coisa mudou: vizinhos  ex-frequentadores do bar faleceram, meu tio e meu pai faleceram, as crianças cresceram. A casa deles foi reformada, filhos e netos empregados. A vizinhança ganhou mais crianças, o bairro ficou nobre após a inauguração de um hipermercado nele. A internet inovou a vida da sociedade, e permitiu uma variedade ainda maior de modos de transmissão de imagens.

Com a inauguração da Fox Sports Brasil, mudamos outra vez. Como toda mudança, dificuldades para se adaptar. Assim como meu pai encontrou alternativas, também podemos achar diferentes saídas ao longo do tempo. Hoje, assisti a partida  Internacional 2 x 0 Juan Aurich na TV à Cabo da minha casa. Transmissão bacana da Fox com o narrador Marco de Vargas e os comentários do Carlos Simon. Com as andanças de meus familiares; e o embate Globosat versus Fox, que deixou a maioria das empresas de televisão à cabo sem passar os jogos da Copa Libertadores; assisti olhei sozinha jogo. Sozinha mesmo!

E sozinha, lembrei de todas as diferentes formas e ocasiões que vi um jogo de futebol. E sonhando com as futuras transmissões: com televisão digital, Copa do Mundo, novas empresas e instituições, novas leis…

Oscar: sou daqui! Gol do Inter

Procura-Se

Andei muito ocupada, cansada, tristinha e culpada por não escrever muito aqui. Melhor escrever alguma coisa sobre estes ultimos dias.

Procura-se:

Kaddafhi, Gaddafi, cadáver?

O assassinos da Juíza Patrícia Acioli e do menino Juan.

Algum responsável pela segurança e Justiça que não coloque a culpa na vítima.

Corrupto candidato à demissão.

O dinheiro aplicado nas obras para a Copa,

Aliás, a conclusão das obras para a Copa!

A educação das crianças e adolescentes briguentos dos vídeos do Youtube.

O  juízo das crianças assaltantes de São Paulo,

E o juízo de seus pais e responsáveis.

O próximo eliminado ou eliminada da Fazenda.

O próximo incluído numa fazenda: quilombola, agricultor familiar, sem-terra. Um incluído de verdade.

O término de contas a pagar este mês.

O final deste mês, que não termina nunca e tem mais de 30 dias.

Um bom esquema tático para meu time, que de preferência, tenha mais de uma pessoa  no ataque.

Eu disse: pessoa, espantalho não vale. 

Uma ilha deserta que não seja reinada por políticos corruptos, ou seja, espantalhos livres.

Alguém que não esteja gripado ou resfriado.

O fim do inverno e o início da primavera.

Uma notícia boa na mídia,

E mais um dia feliz na vida!

Culpa

Lamentável o que aconteceu! A culpa é…

… da equipe;

… da falta de gente;

… da grama;

… da lama;

… da falta de dinheiro;

… do gasto excessivo de verba;

… da vaidade;

… do desleixo;

… do descaso;

… do acaso;

… da marcação cerrada;

… da perseguição;

… da solidão;

… das más companhias;

… das pessoas que fazem muita fofoca;

… do sigilo eterno;

… da natureza;

… das modificações desnecessárias;

…  da corrupção;

… da ingenuidade;

… da malandragem;

… da imaturidade;

… da falta de raciocínio;

… da falta de reflexão;

… da falta de ação;

…deles;

… dele e dela, ou de um dos dois;

… sua;

… minha;

… nossa!

Ela é muito nossa, tchau pessoal!

 

Marcha Soldado!

A moda agora é marchar, depois dizem que o povo brasileiro é acomodado, será? A marcha é uma arte que requer ordem e objetivo. Protestar à favor de menos impostos é importante por exemplo. Mas é muito difícil enxergar a melhor forma de diminuir os impostos, quais deles modificar, aliás, o povo nem tem noção do quanto paga. Só sabemos que seria bem melhor viver sem pagar muitas taxas, juros e impostos. Protestar sobre algo que se conhece pouco é muito difícil e as chances de dar certo também.

Ah, protestar é chato e não adianta nada? Não, acomodados, não é motivo para frustração e indiferença. Lembrem: ordem e objetivo. Se eu sei que o presidente Collor e seus companheiros roubam, então chego à conclusão de que a situação só melhora com a saída de todos os envolvidos. Estudo,ensaios, treinos e “bora marchar”!

Devemos marchar por tudo aquilo que nos incomoda. Mas, para isso, precisamos nos conhecer melhor: coisas fúteis são diferentes dos verdadeiros obstáculos. Auto conhecimento, conhecimento da sociedade e do planeta. Não é apenas pensar no proibir ou liberar. É refletir sobre as consequencias das nossas ações ou na falta delas.

Obs.: o golpe de 1964 teve apoio através da Marcha da Família. Pense nisso.