Assim caminha a humanidade: com calçados!

Olá, deixei este blog por um bom tempo. Fiquei fora do ar por momentos de tristeza,falta de ideias, sem vontade de escrever. Depois, o trabalho finalmente chegou. Mas veio a ocupação de verdade e o cansaço, que me deixou mais tempo distante do blog. Agora trabalho como auxiliar administrativo com e-commerce numa loja de calçados. Trabalho com a parte virtual da loja (redes sociais, loja virtual, fotografias de produtos para publicidade e sistema), além das tarefas administrativas. Bom, deu para perceber que estou bem atarefada. E adorando minhas novas tarefas!

Sapatos, muitos sapatos!

Sapatos, muitos sapatos!

Agora que percebi a importância de um sapato! Um pouquinho de proteção nas caminhadas do dia-a-dia. Colocar os pés no gramado é muito bom. Mas encarar buracos; poças d’ água, entre outras substâncias líquidas; objetos perfurantes e afiados, espinhos de plantas; estradas de diferentes tipos; não dá! Não conseguimos andar por tudo sem calçados. E esses diferentes obstáculos é que nos fazem procurar variados modelos sempre. De acordo com o seu físico, estilo, clima: momento. 

Tamanho 35, couro bovino, 5.500 anos

Tamanho 35, couro bovino, 5.500 anos

Um artigo tão necessário (embora alguns digam que é futil pela loucura que algumas peruas fazem para adquirir grandes quantidades de pares), mas sua indústria parece um tanto desprezada pela economia e o governo. Todo dia temos notícia de fábricas de calçados que fecham suas portas. A justificativa é de que o nosso sapato não vende mais no exterior. Sinto-me descalça com essa notícia, como se no Brasil ninguém usasse sapato. A verdade é que que o preço não é competitivo nem aqui e nem lá fora, os impostos é que acabam com a indústria e o comércio dessa área. Logo o que deveria incentivar, só atrapalha.

Bom, agora, só vejo sapatos na minha frente. Mas neles também vejo história, moda, arte, cotidiano, jornalismo,economia, cultura, geografia, estatística,contabilidade(matemática), idiomas.  Aprendi que com calçados podemos ver como caminha a humanidade!

Anúncios

Censurado! Não Leia!Censura nas novelas!

Nívea Stelmann comenta sua saída da novela “Morde & Assopra” no Twitter

site:UOL

Globo nega, admitindo, censura a romance gay em ‘Insensato Coração’

site:Revista Veja

SBT desiste de transmitir beijo gay em Amor e Revolução

site: Tv Telinha

As novelas da televisão brasileira estão “bombando”! Mas há uma onda estranha de personagens saindo e entrando, cortes de cenas. As desculpas são várias.

No caso da novela das sete, a personagem Lavínia sofre violência doméstica e é apaixonada pelo seu enteado.O Ministério Público vetou a história da novela.No caso da novela das nove, cenas do casal gay Eduardo (Rodrigo Andrade) e Hugo (Marcos Damigo) foram cortadas, a Globo nega a censura.Na novela do SBT, a emissora desistiu de unir dois personagens homens, pois a pesquisa da mesma teria indicado uma rejeição do público por esse casal.

A verdade é que a censura voltou, e está com tudo! Você assiste sua novelinha e ela a cada capítulo ela fica mais esquisita. Você culpa o autor. Mas não foi ele que fez novelas maravilhosas e agora? Perdeu a mão? Desaprendeu a escrever? E não é só personagens homossexuais que são censurados não! Os personagens são variados: criança arteira, casal de adolescentes, prostituta, vilã maluca, drogado, alcoolatra, etc.

Hoje, acabam com a sua novelinha, amanhã com os programas de humor, e depois cortam o seu noticiário. Como se a televisão fosse culpada da realidade. Ela erra ao deixar de mostrar algo mais educativo e mostrar demais o apelativo. Agora, proibir os outros de expressar aquilo que sentem na TV, mesmo que fictício e exagerado:coisa de governo autoritário, que esqueceu do que sofreu com a ditadura passada.

É besteira se preocupar com as novelas. Pode parecer. Quando mexem com nossos sonhos e fantasias; a realidade fica confusa e mais triste. Acredite.

Cuidado!  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Culpa

Lamentável o que aconteceu! A culpa é…

… da equipe;

… da falta de gente;

… da grama;

… da lama;

… da falta de dinheiro;

… do gasto excessivo de verba;

… da vaidade;

… do desleixo;

… do descaso;

… do acaso;

… da marcação cerrada;

… da perseguição;

… da solidão;

… das más companhias;

… das pessoas que fazem muita fofoca;

… do sigilo eterno;

… da natureza;

… das modificações desnecessárias;

…  da corrupção;

… da ingenuidade;

… da malandragem;

… da imaturidade;

… da falta de raciocínio;

… da falta de reflexão;

… da falta de ação;

…deles;

… dele e dela, ou de um dos dois;

… sua;

… minha;

… nossa!

Ela é muito nossa, tchau pessoal!

 

Entrevista Jair Bolssanaro

As opiniões de Jair Bolsonaro são tão absurdas que daria para fazer o Jogo dos Sete Erros com a entrevista dele (ou dos 100 erros). – Governo Militar: era bom? Êxodo rural, acidentes de trânsito, bandidos famosos (tipo o da luz vermelha), drogas, começaram a surgir nesta época. Coincidência? – Presidenta bandida? Sabe qual foi o crime dela. Não gostar do governo militar. – Ex-presidentes incompetentes: porque ele está num partido que apoia ou já apoiou eles? -Homofobia: Tem que educar para que não existam gays e lésbicas?Muitos homossexuais saem de casa porque seus pais tentam educá-los a negarem sua opção. Matar, excluir uma pessoa pelo sua condição sexual? Eu posso não concordar com o estilo de vida da pessoa, mas nada justifica agir com violência e humilhação. -Drogas: bater, torturar, acorrentar viciados não cura dependentes químicos. Fato. -Sou de família, cristão: Não matar, amai uns aos outros como a ti mesmo. Próxima vez,quando ler a Bíblia; não pule a página, nem o versículo! -Racismo: Não sou promíscua. Sou filha de negra e branco, fui muito bem educada. Não sou mulher vulgar, trabalho, e vivo em busca de conhecimento. Tenho ótimas relações pessoais, gosto de Música, Artes,História, Televisão; só não sou tão artista quanto a Preta Gil. Já sofri por alguns acharem que negro é bandido, sujo, etc. A última foi no fim de semana. Fui no salão de beleza e a cabelereira estava com nojo de pentear meu cabelo porque estava embaraçado (crespo,estava molhado, com queda, quebrado nas pontas). Ela parecia não querer mexer no meu cabelo. Fiquei com nojo também,porque vi suas colegas de trabalho atenderem loiras com cabelos tão quebrados quanto o meu e sem nojo, com sorriso no rosto.Lembrei: meu cabelo deve ser promíscuo demais. Fiquei tão pasma, que só fiz uma cara feia para ela.Ainda deixei ela fazer escova, como fui burra.

Um Momento de Inspiração

Fiquei um bom tempo sem escrever neste blog.Estava à espera de um bom momento, um assunto interessante, um acontecimento emocionante. Eles vieram e chegaram, mas não me encorajaram a escrever.

Protestos, guerras, acidentes, desastres, casos de corrupção, casos bizarros e sem noção tivemos e temos no mês de março de 2011 (que não terminou, estamos no dia 27). No entanto, para uma opinião interessante e sensata, precisamos pesquisar mais informações; observar mais; sentir mais. Há fatos que nos deixam embasbacados e desnorteados. Como escrever se algo foi bom ou ruim o que nem mesmo sei a respeito?

Comemorar a intervenção norte-americana na Líbia contra o Gaddafi? Por acaso, existem bombas inteligentes que detectam apenas aqueles que são aliados do Gaddafi? Acho que não: bomba explode onde jogam e atinge quem estiver por perto, independente da ideologia.

Terremotos, tsunamis e acidente nuclear no Japão. Terrível! O que fazer para recuperar? Mostrar a tragédia é importante, para entender sobre os problemas que  existem. Mas é necessário esforço também para encontrar soluções, não apenas julgar algo como triste e errado!

No Brasil: acidentes no trânsito das mais variadas formas; roubos nos mais variados setores; despedidas de profissionais exemplares, pelo cansaço e desilusão do “sistema cruel”; enquanto outros de menor valor ganham fama, prestígio e até verba. Normal! Será? A lua está gigante, deve ser o meu óculos de grau!

Tanta coisa legal, e eu só escrevo agora. Eu estava ocupada, vivendo e sentindo! Inspiração não é apenas oxigênio,mas também ação sobre ele.

Praia de Pobre

Praia: Lugar ideal para descansar, porém onde acontecem as maiores confusões.

Viagem: passageiros além da conta; bagagem excessiva ou pequena demais (do time do “sem lenço,sem documento”); percursos obvios, mas nem por isso,deixam de ser terríveis!Longa viagem.

Casa, “apertamento”,pousada,hotel,barraca,etc.: Para achar é aquele dilema. Não era tão perto quanto pensava. Sinta-se em casa, de estranhos, certo! Fartura: “farta” talher, “farta” balde, “farta” água, “farta” tudo.Lembra do item anterior, bagagem? Você só se lembra nessa hora daquilo que não trouxe. Suas costas sentem falta do colchão da sua cama e você reclama dos mosquitos. Para ligar o fogão, geladeira, qualquer outra coisa tem o tal do jeitinho (coisas usadas). A barraca demora para ser montada: na montagem de uma, sempre se arma um outro tipo de barraca para isso (confusão, briga, xingamento, porrada).No hotel tem a vantagem de não precisar fazer serviço, mas lembre-se que isso tem um preço depois.Não se surpreenda se encontrar alguma coisa que não funcione por lá.

Comida: se tiver que gastar, gaste. Porque improvisar na comida nem sempre dá certo. Improvisar para você é uma coisa, improvisar para sua família de 15 pessoas e 20 convidados é outra. E agradar a todos: uns não gostam de tempero verde; não gostam de tal parte da carne; e os que gostam, mas a saúde não permite que comam e bebam. Se você trás comida de casa, chega estragada. Se compra, paga os olhos da cara pra não ter que comer apenas com eles mesmo. Se é gostosa ou não: depende da fome e da sorte. Bebidas: idem, sem contar os excessos. Ver quantidade: se faltar, o bicho pega!

Praia: roupa de banho, protetor solar, guarda – sol, esteira, cadeira de praia, balde para as crianças, bola para os que querem se divertir. Outras parafernalhas só para quem quer se incomodar e incomodar os outros. A luta para encontrar um lugar vago: perto do mar (para vigiar crianças e companheiros) e longe do mar (para não ser levado pelas ondas e nem pisoteado pelos que caminham na beirada), além de espaçoso para não bater em ninguém e não levar bolada.

 Banho: merece um capítulo especial. Tirar a areia do corpo requer técnica e elegância, coisas que a maioria não tem. A mangueirada básica na entrada para tirar o excesso que nunca sai. As mães mais práticas banham seus filhos na entrada mesmo para não gastarem mais água e tempo. Areia por todo o banheiro. Areia que não sai da roupa de banho. Se não tiver xampu ou sabonete, use o do próximo. Privacidade? Esqueça até notar que alguém te espiando.

Obs.: Esse é o diário da praia de pobre.Tem muito mais assunto: diversão, dinheiro, transporte, mar, pessoas. Estou em Cidreira/RS, mas isso se passa por várias outras praias.

Um abraço e boas férias.

Menos gráficos e mais corações

Neste mundo tumultuado, todos somos considerados números. É fato. Fazemos parte de estatísticas, dados, notas, metas, códigos, senhas.

E não há problema porque os números são uma forma de nos percebermos enquanto gente e de organização na vida.  Mas tratarmos os outros como apenas números, não! Para compreendermos os números é necessário humanizá-los.

Eu, como profissional da educação, vejo que esta questão é muito tratada numericamente. Número de alunos e professores, faltas e presenças, escolaridade. E, como se não bastasse; esse dados ainda são questionados sobre sua veracidade. Alunos e professores realizam provas para comprovar ao governo que realmente sabem e fazem.

Neste próximo Dia do Professor, gostaria que o povo valorizasse mais os professores. Nem coitado, autoritário, ou invisível. O professor é responsável por muitas coisas, mas não por todos os problemas que existem.

Menos gráficos e mais corações!

Meu desabafo de professora, no meu futuro segundo Dia do Professor! Homenagem à Secretaria de Educação de Gravataí, setor ProJovem Urbano; cuja preocupação me inspirou nesse texto.